Carta a um certo Pássaro




Seu Pássaro,

Tão admirável é o matizado em tuas asas, quanto o vôo que alçam ao se deixar guiar pelo Ar. Tão fascinante quanto as cores que fazem de ti o mais belo dos pássaros, é a beleza que há em ver-te voar feliz sob o sol.

Sonho com tuas nuances, mas amo apreciar teu vôo. Amo quando descreve a mim os lugares pelos quais sobrevoa, imagino cada lugar em seus mínimos detalhes, e vivo cada espaço através dos teus olhos Seu Pássaro.

Meus olhos sempre estiveram a contemplar teu vôo, e meus ouvidos sempre se fizeram atentos ao teu cantar, ainda quando teu canto se fez mudo. Tão lindo é o teu assobiar. Canta olhares, canta lugares, canta o tempo que passar; canta tristezas, canta alegrias, jamais deixa de cantar. O canto é a ligação da beleza que há.

Seu Pássaro, seja feliz o teu cantar, teu voar, teu sonhar, mas seja sempre livre para voltar. Meus ouvidos estarão sempre a esperar o soprar do teu canto.