Vou Voar


“Venho,
Por entre trancos e barrancos,
Lutando contra medos
Que a muito vem a acompanhar-me.

Venho,
Com algumas dificuldades
Saltando por sobre obstáculos
Que pareciam ser tão altos,
Onde jamais poderia alcançar.
Hoje sinto-me melhor cada vez que vôo
E os percebo um pouco mais de cima.

Desistir sempre pareceu-me
Uma estrada mais fácil de caminhar,
Talvez mais fosse cômodo.
Mas percebi que quando desistimos
Não há outra alternativa,
A não ser permanecer imóvel.
Quantos há que continuam a estratada
Mesmo quando perdem a sensibilidade!?

Aos poucos tenho seguido,
Sem tanto medo de arriscar,
E nem tanto medo de esperar.
Seja medo de altura,
Medo de me machucar.
Seja medo da felicidade,
Medo de amar.
Seja medo de viver,
Medo de continuar.
Seja medo de dizer,
Medo de olhar.

Há quem seja maior que tudo isso.
Alguém para quem
Não há o impossível.
Que tem poder de levar às alturas,
E curar feridas.
Que traz alegria,
E ama como jamais se pensou o amor.
Que doou a vida,
Criou a vida,
E dá o sentido que nos mantém vivos.
Alguém que guia com sua voz,
E com seu olhar.

Sim eu sei,
Ainda vou voar.”